Conheça quais são os 12 principais tipos de fobia

Uma das emoções básicas do ser humano é o medo. 

Ele tem o papel de ativar o instinto de sobrevivência que temos, protegendo-nos de tudo o que possa ameaçar a nossa existência. Ninguém pode sobreviver sem o medo. 


Contudo, ele nem sempre é ativado por coisas realmente ameaçadoras. Algumas pessoas sentem um medo de tamanho desproporcional à realidade que estão a enfrentar ou até mesmo desnecessário. 


Ele pode ser tão intenso que causa uma ansiedade extrema e até mesmo ataques de pânico, fazendo com que a pessoa não consiga manter uma vida normal diante dele. 


Quando o medo tem essa proporção, ele está relacionado a aspectos emocionais e precisa de ser tratado.

O que é fobia?

Já sentiu medo de alguma coisa que não oferecia o menor perigo para si? 


Isso é a fobia, um medo irracional diante de uma situação ou objeto que não justificam tanto pavor. 


Quem sofre de algum  fobia, pode sentir tanto medo de determinada coisa que evita envolver-se em determinadas situações para não correr nenhum risco. E, se for exposto ao causador da sua fobia, pode sentir diversos sintomas físicos decorrentes do excesso de medo. 


Em situações mais graves, a fobia pode fazer com que alguém que antes agia normalmente, comece a isolar-se do mundo, sofrer de transtornos de ansiedade ou ataques de pânico, ou até mesmo recorra a dependência química. 


Por isso, é essencial saber identificar quando isso acontece.


Esse distúrbio psicológico faz com que a pessoa sinta repulsa e medo descontrolado de algo em específico, o que pode ter sido causado por um trauma do passado. 


Pelo menos 20% da população mundial sofre com algum tipo de fobia.

Tipos de fobia

Existem inúmeras fobias que uma pessoa pode ter, mas para facilitar o entendimento o Manual Diagnóstico e Estatístico de Transtornos Mentais elaborado pela Associação Americana de Psiquiatria classifica as fobias em cinco tipos:


  • Fobias de animais;
  • Fobias de aspectos do ambiente natural (trovões, enchentes, terremotos)
  • Fobias a sangue, injeções ou feridas;
  • Fobias a situações específicas (altura, andar de avião, andar de elevador)
  • Fobias sem classificação específica (medo de vomitar, de contrair uma doença, do escuro, de casar, de ficar solteiro, entre outros).

A origem das fobias

Qualquer um pode desenvolver uma fobia durante a sua vida. 


Quem convive com familiares que sofrem com essa situação tem uma maior predisposição do que as outras pessoas. Alguns traumas relacionados a objetos ou situações específicas também podem desencadear uma fobia.


A maioria dos nossos medos começam a surgir ainda durante a gestação, quando estamos totalmente conectados com os sentimentos, pensamentos e emoções dos nossos pais. Por isso, em alguns casos as fobias podem também ter tido origem quando ainda estávamos no útero.

Exemplos de fobia

  • Acrofobia: medo de altura;
  • Agorafobia: medo de espaços abertos ou com multidões;
  • Aracnofobia: medo de aranhas;
  • Catastrofobia: medo de catástrofes e aspectos ambientais;
  • Claustrofobia: medo de lugares fechados;
  • Fobia social: medo de pessoas e da exposição;
  • Glossofobia: medo de falar em público;
  • Hematofobia: medo de sangue, injeções e feridas;
  • Monofobia: medo de ficar sozinho;
  • Nictofobia: medo da noite ou do escuro;
  • Tanatofobia: medo da morte;
  • Zoofobia: medo de animais.

Como tratar uma fobia

Se tem algum tipo de fobia, com certeza está à procura uma maneira de vencer esse desafio. Por isso, vamos compartilhar o que acreditamos ser a melhor forma de tratar uma fobia.


É preciso que aconteça uma ressignificação da relação emocional existente entre si e o objeto/situação que é o causador do seu medo. 


Para isso, indicamos os processos terapêuticos que promovem um reprocessamento emocional das situações relacionadas ao medo. Em alguns casos ainda, faz-se necessário uma intervenção com medicamentos para ajustar e equilibrar as disfunções neurológicas.

Conclusão

A fobia pode prejudicar de diversas forma a evolução de uma pessoa, fazendo com ela fique presa com aquilo que tanto teme e não saia do lugar. 


É muito importante procurar a ajuda necessária para poder superar esse grande obstáculo. Somente por meio da mudança de pensamento e comportamento, é que se torna possível enfrentar e vencer as fobias.


Tenha sempre em mente que a sua fobia precisa de ser controlada e tratada, para que possa destravar a sua própria vida e começar a conviver de maneira saudável com o seu medo.


Isso vai ajudar a recuperar o bem-estar e a satisfação em viver.


Partilhe connosco nos comentários se já precisou de lutar contra algum tipo fobia e, se este conteúdo o(a) ajudou de alguma forma e acredita que pode ajudar outras pessoas também, curta e compartilhe o artigo nas suas redes sociais.

Iniciar sessão to leave a comment


Crise existencial dos 40 anos: O que fazer?