Descubra os 14 sintomas de uma baixa auto-estima

O conceito de auto-estima está diretamente ligado à valorização que uma pessoa tem por si mesma, o quanto ela consegue confiar nos seus próprios atos e pensamentos, ou seja, é a aceitação que o indivíduo tem de si mesmo.
 

Já a baixa auto-estima é representada por uma imagem negativa que alguém possui de si mesmo, ou até mesmo aquela sensação constante de incapacidade e inferioridade.
 

Frases e pensamentos de “eu nunca consigo fazer nada certo”, “eu não presto para fazer nada”, “eu não sou ninguém”, “eu não gosto de mim mesmo”, entre outras opiniões depreciativas, são características de uma baixa auto-estima.

Quem sofre com isso não se sente capaz de alcançar os seus objetivos e, exatamente por esse sentimento, acaba por perder diversas oportunidades de evolução e aprendizagem ao longo da vida, prejudicando o seu próprio desenvolvimento.

De acordo com um estudo realizado pelo Centro Internacional para Saúde e Sociedade de Londres, esse estado também pode aumentar as chances do desenvolvimento de problemas ligados à saúde e até mesmo diminuir a expectativa de vida.
 

A maior dificuldade de quem tem uma baixa auto-estima está em reconhecer os sinais que indicam falta de aceitação.
 

Por isso, decidimos partilhar uma lista com as principais características dessa condição e algumas dicas para mudar isso!
 

Sintomas da baixa auto-estima

Uma auto-estima média ou baixa pode ser observada por meio de comportamentos recorrentes no dia-a-dia, nos relacionamentos e na profissão.

Confira algumas dessas características:

      Indecisão - Tem muita dificuldade para tomar qualquer tipo de decisão, pois possui um medo exagerado de errar;

      Falta de auto-confiança - Sente que não é capaz e que não vai conseguir fazer o que gostaria, acredita que não sabe nada da vida;

      Desvalorização - Não sabe valorizar os seus próprios talentos e o seu potencial. Acredita que tudo o que sabe é muito pouco e muitas vezes inútil. Está sempre preocupado em admirar o talento dos outros, ao invés do próprio;

      Medo - Não gosta de correr riscos, pois tem medo de ser exposto e parecer frágil ou vulnerável. Por isso, foge de qualquer coisa que seja nova, diferente ou arriscada;

      Ansiedade - É extremamente ansioso e nervoso, isso faz com que evite situações que podem provocar angústia ou medo;

      Passividade - Evita ao máximo tomar qualquer iniciativa, acredita que se algo der errado não vai conseguir assumir a responsabilidade;

      Solidão - Quase não tem amigos, sente-se melhor isolado e sem ter que passar por situações constrangedoras ou de pressão que são características de convívio social;

      Inacessível - Não gosta de compartilhar os seus sentimentos com outras pessoas;

      Anti-social - Evita participar de qualquer atividade realizada em grupo e que tenha dinâmicas ou qualquer método que exija interação;

      Reservado - Não fala muito sobre qualquer tema, pois tem medo de não saber o que está a falar e ser julgado;

      Dependente - Depende quase sempre de outras pessoas para realizar as suas tarefas ou qualquer atividade que seja mais complicada;

      Inseguro - Dá-se por vencido antes mesmo de começar qualquer atividade;

      Insatisfeito - Não está satisfeito consigo mesmo, pensa que nada do que faz é bom;

      Ignorante de si mesmo - Não conhece as suas próprias emoções e, por isso, não sabe expressá-las;

      Culpa exagerada - Quando algo dá errado, culpa-se de forma desproporcional, sempre tendendo ao exagero;

      Pessimismo - Acredita que nada pode melhorar, as coisas são más e é assim que sempre vai ser.

Como ter mais auto-estima

Ter consciência sobre quais são os sinais da baixa auto-estima já é um grande passo para que consiga identificar esse tipo de comportamento em si mesmo, prestando atenção em como pode evitar cada um deles.
 

Vamos deixar aqui dicas práticas que podem contribuir e muito nessa jornada e ajudá-lo a aumentar sua auto-estima.

Evite fazer comparações

Você precisa entender que cada pessoa é única!
 

A sua história de vida e as suas características não são como as dos outros, por isso não é produtivo ficar a comparar quem está mais ou menos desenvolvido na vida.
 

Cada pessoa tem o seu momento próprio para realizar algo, desenvolver-se e conquistar os seus sonhos.
 

Vá de acordo com o seu tempo e as suas possibilidades, não se preocupe com quem chegou antes de si.

Procure sempre o autoconhecimento

É essencial olhar para si mesmo e entender a própria essência, se deseja aumentar a sua auto-estima.

Escolhendo esse caminho, descobre os seus pontos de melhoria e desenvolve a capacidade de entender melhor quais os meios para melhorá-los.

Assim, direciona a energia que antes era gasta para a autodepreciação, para o aprimoramento pessoal.

Olhe sempre para o lado positivo

Enxergar o lado bom das situações desafiantes que aparecem durante a vida é de muita ajuda, pois permite que tenha a oportunidade de crescer e aprender com o desafio.

Entender que mesmo as situações mais duras carregam consigo enormes oportunidades de evolução e crescimento é o que vai ajudá-lo a tornar-se uma pessoa mais resiliente e otimista.
 

Qualidades necessárias para desenvolver ainda mais as suas habilidades de superação. 

Foque-se nas suas conquistas

Se se mantém sempre focado nos momentos negativos da sua vida, não consegue deixar de se sentir inseguro e isso atrapalha muito o andamento dos relacionamentos e até mesmo da sua rotina diária.

Lembre-se que tem qualidades também, que já realizou muitas coisas e que, por menores que fossem essas conquistas, elas foram as suas vitórias alcançadas por meio do seu esforço e persistência.
 

Por isso, mantenha o seu foco em tudo o que já conquistou e orgulhe-se da sua história.

Reveja as suas crenças

Acreditar que não é bom o suficiente ou que não merece ser feliz é um padrão de pensamento que molda o seu comportamento e paralisa a sua evolução.
 

É preciso superar esse bloqueio e entender que, assim como qualquer outra pessoa, é sim merecedor de tudo o que deseja e que tem um potencial infinito para conquistar tudo isso.

Conclusão

Já parou para pensar que todo o comportamento foi aprendido um dia? Ninguém nasce com os seus comportamentos pré-definidos.

Por isso, se aprendeu a pensar mal de si mesmo, pode aprender a superar essa situação e começar a ver-se de forma positiva.

Está na hora de trocar a negatividade e mudar o seu padrão comportamental. Ame-se mais, veja-se com bons olhos, seja o seu próprio amigo, confie no seu potencial.

Esta é uma das nossas missões: ajudá-lo a libertar a sua criança interior do quarto escuro em que ela esteve durante todo este tempo, sentindo-se incapaz e impotente. Nós queremos que se transforme em alguém totalmente autêntico e conectado consigo mesmo.

E quando isso acontece não existe em qualquer dicionário uma palavra que seja capaz de traduzir essa felicidade.
 

Este artigo fez sentido para si? Se este conteúdo o ajudou de alguma forma e acredita que ele pode ajudar muitas outras pessoas, sinta-se livre para compartilhar nas suas redes sociais.

Iniciar sessão to leave a comment


Conheça os diferentes tipos de personalidade e as suas características!