Quais os sintomas e como controlar a ansiedade

Alguma vez já se sentiu tão assustado/a com algo que o coração começou a bater forte, o estômago embrulhou e até calafrios sentiu? 

Esses sintomas caracterizam a ansiedade, um sentimento que muitos têm e que acontece quando direciona o seu foco para algo que não aconteceu ainda. Isso é completamente normal, desde que não seja algo recorrente.

Acontece que a vida moderna cobra um preço caro para muitas pessoas. A falta de tempo, a grande quantidade de tarefas que precisam de ser realizadas ao mesmo tempo, a pressão de se manter numa situação estável, tudo isso junto aumenta estrondosamente a apreensão que sente em relação ao futuro.

Desses casos surge, por vezes, o transtorno de ansiedade que é quando esse sentimento começa a ser frequente e a prejudicar o andamento da sua vida.

Aproximadamente um quinto dos portugueses sofrem com perturbações psiquiátricas, sendo que 16,5% deles enquadram-se nalgum tipo de transtorno de ansiedade. Ter acesso a essa informação fez-nos ver o quão importante é que cada vez mais materiais sobre este tema estejam disponíveis para a população.
 

Por isso, escrevemos este artigo. Continue a ler para saber mais.

O que é o transtorno de ansiedade?

É uma condição originada pelo excesso de ansiedade ou medo.

Essas emoções e sentimentos, quando sentidas em níveis exagerados, podem interferir na vida pessoal e profissional, pois afetam muito o seu comportamento.

O transtorno faz com que passe a ter excessivos pensamentos negativos e, consequentemente, diversos sintomas fisiológicos que fazem a emoção parecer ainda mais real.

A intensidade dos sintomas pode variar, dependendo do grau em que cada pessoa se encontra. Eles podem ser leves, moderados, fortes e até mesmo tão intensos que, muitas vezes, as pessoas procuram um médico acreditando estar com problemas cardíacos ou outro problema de saúde.
 

Além de tudo isso, quem sofre com esta condição tem mais chances de desenvolver uma doença cardiovascular, diabetes, obesidade e pressão arterial alta.

O que causa a ansiedade?

Apesar de não se saber exatamente o que desencadeia o transtorno de ansiedade, existem alguns fatores que são facilitadores da condição.

Confira na lista abaixo:
 

      Traumas sofridos durante a infância;

      Traumas mais impactantes fora da infância - acidentes, perda de um ente querido, etc.;
      Herança genética - casos do transtorno de ansiedade na família;
      Doenças físicas - problemas cardíacos, doenças hormonais, problemas respiratórios, etc.;
      Abuso de álcool, drogas ou de medicação.

Quais os sintomas do transtorno de ansiedade?

Os sintomas do transtorno de ansiedade podem ser físicos ou psicológicos. Listamos aqui os mais comuns de cada tipo:

Sintomas físicos

      Palpitações e dores no peito;
      Fala acelerada;
      Respiração ofegante e falta de ar;
      Tontura e sensação de desmaio;
      Agitação de pernas e braços;
      Tensão muscular;
      Boca seca e hipersensibilidade de paladar;
      Sensação de tremor e vontade de roer as unhas;
      Enjoo e vómitos;
      Irritabilidade;
      Enxaquecas;
      Insônia.

Sintomas psicológicos

      Medo exagerado;
      Preocupação excessiva;
      Nervosismo;
      Pensamentos desequilibrados;
      Falta de concentração;
      Sensação má de algo poder acontecer ou de que se está perto de perder o controlo.
 

É preciso estar atento/a aos principais sintomas para analisar se eles estão a acontecer em níveis que atrapalham a sua vida e a sua rotina.

Como controlar a sua ansiedade?

Existem algumas dicas que lhe podemos dar e que podem ajudar a controlar os seus níveis de ansiedade.
 

      Comece a dormir mais cedo! O sono irregular ou inadequado é um grande intensificador da ansiedade, porque amplia as reações antecipadas do cérebro, aumentando assim os níveis de ansiedade.

      Quando precisar de relaxar nalgum momento de ansiedade, use a música. Escutar música pode diminuir em até 65% a sua ansiedade.

      Além de dormir mais cedo, pode começar a acordar 15 minutos antes do horário normal. Isso evita que o seu dia comece já em alta velocidade e ansiedade, permitindo que se alimente e se arranje com tranquilidade.

      Evite ingerir alguns tipos de alimentos que podem causar palpitações cardíacas como açúcar, cafeína e alimentos processados.

      É importante lembrar-se sempre de todas as coisas boas que tem, por isso, faça uma lista que fique num local visível para ser consultada sempre que a ansiedade apertar o seu coração.

      Pratique a meditação para o relaxamento do corpo. Bastam 5 minutos diários de concentração na própria respiração que começará a ver alguns resultados.

      Exercite-se! Movimentar o seu corpo pode fazer uma grande diferença no seu dia, trazendo mais energia e produtividade para a realização das tarefas e um maior controlo na ansiedade.

      Além de todas as dicas acima, existe uma que é a principal. Procure ajuda de um especialista. Apenas um psicólogo vai ser capaz de o/a orientar corretamente sobre como vencer essa barreira. Não hesite em procurar ajuda, isso não o/a faz ser menos capaz de lidar com tudo isso.

Conclusão

A ansiedade é um sentimento comum e natural, mas que quando se torna excessiva pode ser extremamente prejudicial.

Se esse estado está a tornar-se corriqueiro ou frequente na sua rotina, fazendo com que passe a sentir que está sempre à espera que algo de mau aconteça, fique atento/a. Esse é um sinal bem claro de que pode estar a sofrer com a ansiedade patológica.

Assim como em qualquer outro transtorno psicológico, é preciso que esteja aberto/a a receber a ajuda profissional necessária para lidar com a ansiedade. Isto porque o psicólogo precisa da sua colaboração para entender o que está a causar os episódios de ansiedade.

Este artigo fez sentido para si? Se este conteúdo o/a ajudou de alguma forma e acredita que ele pode ajudar muitas outras pessoas, sinta-se livre para curtir e compartilhar nas suas redes sociais.

 

 

 

Iniciar sessão to leave a comment


Entenda as principais diferenças do cérebro emocional e racional